Ettore-Minore

Manutenção das características das RAE ligadas ao relacionamento com Pequim

Com o projecto da Grande Baía, a manutenção das características socioculturais de Macau e Hong Kong dependem do relacionamento com Pequim, prevê Ettore Minore, um ex-docente e empresário italiano com grande experiência na China Continental, em entrevista exclusiva ao Jornal TRIBUNA DE MACAU. A sua valorização será sempre o resultado de seu relacionamento com Pequim, enquanto os valores da sua autonomia administrativa sempre permaneçam firmes

Pietro Fiocchi (fonte: Especial para o JTM )

É verdade que em tempos incomuns é bom prestar atenção aos conselhos de pessoas extraordinárias, que construíram a sua fortuna pessoal com trabalho e experiência directa no campo, entre a vida quotidiana e um olhar para o futuro. Uma dessas pessoas é certamente Ettore Minore, italiano de Palermo, que vive em Roma há décadas.

É gerente geral de um grupo de três empresas: International Trade Market (a principal empresa – www.intertrademarket.com), com sede em Hong Kong; Yi Hua Food Trading Co., com sede em Tianjin e Inter Trade Italia, com sede em Roma.

Ele e a sua equipa constituem-se numa ponte entre a Europa, especialmente a Itália, e o Oriente. Ettore trabalha na China há 20 anos e, nos últimos 10, desenvolve negócios com muita eficiência, graças ao desenvolvimento da C

hina, que tem sido muito forte.

O objectivo de Ettore Minore é incentivar os europeus, inicialmente italianos, a interessarem-se pelo mercado asiático, especialmente pela República Popular da China. Realiza projectos interessantes, como a distribuição de produtos típicos da Itália (alimentos, vinho, cosméticos para a pele) na China, onde já são famosos e apreciados pelo povo.

No passado Ettore Minore foi docente na primeira Universidade de Roma, La Sapienza, onde era responsável pela secção sobre a Ásia no âmbito do programa de Mestrado Masterandskills (www.masterandskills.com) sobre desenvolvimento de negócios internacionais. Há anos ele e a sua equipa estabelecem boas relações com a China e podem sugerir excelentes soluções para investidores estrangeiros.

Em entrevista ao Jornal Tribuna de Macau, Ettore Minore ilustra algumas de suas percepções actuais e futuras sobre o potencial da região da Grande Baía.

Com todos os seus distritos industriais e mercados especializados, a Grande Baía já tem um impacto significativo na dinâmica económica e política internacional. Do seu ponto de vista, quais são as vantagens e desvantagens que esse imponente polo representa para as pequenas e médias empresas italianas e europeias?
“O ambicioso projecto que tende a unir nove municípios da Província de Guangdong com Regiões Administrativas Especiais (RAE), como Hong Kong e Macau sob uma única direcção de desenvolvimento de alta tecnologia, é certamente mais um passo à frente para a República Popular da China em desafio com os gigantes americanos, mas é errado pensar que é apenas um projecto para criar um segundo Vale do Silício desta vez no Oriente.

É verdade que a província de Guangdong possui a maior percentagem de alta tecnologia na República Popular da China, mas também é verdade que, como está concebido, o projecto trará um aumento significativo nos sectores imobiliário, financeiro e turístico.

A ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau é parte integrante deste projecto. As vantagens para as empresas italianas e europeias são múltiplas, uma alternativa competitiva para a outra grande área de alta tecnologia localizada na Califórnia seria criada do ponto de vista da produção e da inovação, mas também há desvantagens, especialmente para as empresas italianas e é por isso que os nossos melhores cérebros devem operar em países como a RPC e EUA criando empresas que são lucrativas em termos de rentabilidade e organização.

Sempre com um olho na Europa e na suas actividades produtivas públicas e privadas, para Macau e Hong Kong, que constituem uma parte fundamental da área, que funções especiais você acha que elas podem ter para realizar todo o potencial do projecto de Pequim?
As duas Regiões Administrativas Especiais, Hong Kong e Macau, sempre foram a porta de entrada para o mercado de RPC, especialmente desde 1997 do ponto de vista financeiro (Hong Kong) e do ponto de vista cultural e turístico (Macau). Hong Kong deve ter a maior função devido à facilidade de gestão das empresas e seu estabelecimento e à grande importância do sector financeiro-bancário. Devemos também levar em conta a situação actual das duas RAE, especialmente Hong Kong. Quanto mais estável for a relação com Pequim, mais Hong Kong será a parte mais importante deste projecto.

Tendo em vista a implementação da Grande Baía, acredita que as características socioculturais típicas de Macau e Hong Kong encontrarão condições para ser valorizadas ou serão colocadas em segundo plano?
Como respondido na pergunta anterior, tudo depende do relacionamento deles com Pequim. Além do que qualquer um pode pensar, Hong Kong e Macau são parte integrante da República Popular da China, e essa realidade não existe apenas desde 1997 ou 1999; existia mesmo antes das várias colonizações. A sua valorização será sempre o resultado de seu relacionamento com Pequim, enquanto os valores da sua autonomia administrativa sempre permaneçam firmes.

A importância estratégica do idioma inglês está a ser constantemente discutida. Por um momento, concentremo-nos na língua portuguesa, também uma língua oficial em Macau. Qual o papel desse idioma na interacção global e como isso afectará o desenvolvimento do projecto chinês em que estamos a falar?
Sem dúvida, para os países de língua portuguesa, é uma vantagem, mas não creio que possa substituir completamente o uso do idioma inglês, que, mesmo discutido, é universalmente usado para relacionamentos de todos os tipos. Além do uso da língua inglesa, o positivo é que esta Grande Área conhecerá a língua portuguesa de maneira mais constante e a curiosidade será ver o seu grau de desenvolvimento nos próximos anos.

Como imagina as principais mudanças na área em questão nos próximos anos?
Estamos a falar de áreas já muito desenvolvidas, porém, haverá mudanças e a minha esperança é que sejam compatíveis com o desenvolvimento ambiental.

Considerando as três entidades originais, Guangdong, Hong Kong e Macau, acredita que serão encontrados desenvolvimentos e benefícios homogéneos ou penderá a favor de uma parte à custa de outras?
O valor de Hong Kong e Macau continuará, mas acredito que este projecto fará com que a província de Guangdong seja um dos territórios mais importantes e estratégicos, não apenas da República Popular da China, mas de toda a Ásia.

CONTATTI

International Trade Market Dove siamo nel mondo

MAIN OFFICE

ITI – Inter Trade Italia S.r.l.
Address Corso D’Italia, 19 00198 Roma (Italy)
Tel +39.0690212614
Email info@intertrademarket.com

Contattaci

Scriveteci, siamo la guida per le vostre opportunità di business.


    Dichiaro di aver preso visione dell'informativa sulla Privacy Policy ai sensi del Regolamento UE 679/2016.